Gruta de Frei Pedro Palácios

Frei Pedro Palácios nasceu em Medina do Rio Seco, perto de Salamanca. Espanhol, que ingressou na Ordem dos Frades Menores, Província espanhola de São José de Castela, em que florescia a mais estreita observância. Pouco depois se mudou para Portugal, onde obteve licença do Custódio Frei Damião da Torre de, em 1558, embarcar para a Capitania do Espírito Santo, no Brasil. Na viagem, a embarcação foi tomada de forte tempestade, correndo perigo de naufragar. No desespero, lembraram-se os navegantes do religioso, companheiro de viagem, cujas santas virtudes já eram admiradas. Recomendaram-se às suas orações e um tomou-lhe o manto e, com ele, tocou as ondas, que imediatamente se aplacaram, permitindo próspera travessia. Desde então Frei Palácios só era chamado de o santo frade. Este fato é histórico, contado por todos os autores. Depois de feliz viagem, o navio chegou à Capitania do Espírito Santo, em Vila Velha. Os companheiros de viagem se espalharam pela localidade e Frei Palácios cuidou do seu destino. Dias depois, porém, lembraram-se do religioso, que havia granjeado todo o seu afeto, e sabendo também os moradores da presença do santo homem, todos tiveram desejo de saber onde ele estava. Procuraram-no e só depois de três dias encontraram-no numa cabana na montanha.

Segundo a tradição local, o lugar do encontro foi um vão formado pela natureza em baixo de uma grande pedra, situada no sopé da montanha, junto à praia, ao lado esquerdo de quem entra pelo atual portão da “Ladeira da Penitência”. Ainda hoje é conhecida por “Gruta de Frei Palácios” e, desde 1864, é assinalada por uma lápide comemorativa, que mandou colocar o Guardião Frei Teotônio de Santa Humiliana. Não querendo, pois Frei Palácios descer da montanha pediu aos moradores lhe construíssem uma capela na parte plana da rocha. Fizeram-no e ele dedicou-a a São Francisco de Assis, colocando sobre o altar a imagem de Nossa Senhora da Penha e a imagem do Patriarca São Francisco. A morte do Servo de Deus se deu em 1570 e em 18 de fevereiro de 1609 os despojos foram exumados e transladados para a Igreja do Convento de São Francisco da cidade de Vitória.

Alunas: Cristiana de Souza Ferreira, Katiana de Souza Ferreira, Robervânia Cordeiro Farias e Mariete Sobroza de Souza

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s